Pesquisar este blog

12 janeiro 2006

A Vida em Ribeirão

Feliz ano novo para vocês(mesmo que atrasado)!
Hoje lhes ofereço um texto que escrevi em 1994, no século passado. Estava na cidade de Ribeirão Preto participando de um congresso científico. Naquele ano algumas questões estavam me deixando triste. Mas alguma coisa começou a mudar.
O tempo passou e a alegria voltou para a minha vida. Sei que foi em Ribeirão que as coisas começaram a adquirir novo sentido, a luz foi recuperando espaço. Então, movido pela emoção e pela influência de Fernando Pessoa, escrevi este texto.
Espero que vocês gostem e que registrem suas opiniões.
Tudo de bom sempre!
Harold



A Vida em Ribeirão
Aroldo José
Amanhece o dia e a cidade acorda.
Levanto, tomo banho e café e depois pego o ônibus.
Assim vivo, vou vivendo e contemplando a vida na
Cidade californiana do hemisfério sul, do afeto paulista.
Olho admirado: que interior com jeito de cidade grande,
Que cidade grande com acento caipira;
E sigo feliz, vivendo a vida no passo das pessoas
Que vão trabalhar e estudar.



Aqui tem tanta coisa para se fazer.
Aqui tem tanta vida, tanta gente contente
Acenando na rua para mim.
E o meu coração fica contagiado
Que, de nortista universal com jeito europeu,
Quer virar ribeirão-pretano,
Italiano do interior, freqüentador do Pingüim.



E a vida vai seguindo como um ônibus,
Como os fios esticados do 'trólebus',
Como o traçado das ruas,
Como o estilo feliz dessa gente solidária.



Ah! Quisera Deus que eu pudesse ler o livro
Da sabedoria na cultura desses amigos;
Que olham, recebem e abraçam, me abraçam,
O cara lá do norte, da viagem longa.



Por que não recebê-los em casa?
Por que não retribuir o afeto dado?
Por que não plantar Ribeirão no fundo do quintal?
Por que? Perguntas e perguntas e mais outra pergunta:
Por que não aproveitar o momento presente
E amar concretamente cada pessoa que passar ao meu lado?



Sim! Viver o dia como o sábio professor Keating,
Agradecer a Deus este momento,
Vivê-lo intensamente e, quando for embora,
Dizer contente:
-- Vivi tudo! Fui feliz!



Aqui é Ribeirão e Ribeirão está em mim.
Uma nova cidade, um novo cidadão
E um velho-novo sentimento:
Amor recíproco!
Assim é a chama dessa região que, mesmo apagada,
Ainda aquece meu coração.
Assim, minha história incorpora outras vidas pulsantes,
Outras histórias de Ribeirão.



Minha vida passa a ser Ribeirão,
Meus delírios lembram o chopp gelado de Ribeirão;
O negativo de minha foto revela a gente de Ribeirão;
No outro dia dançarei na festa de Ribeirão.
Farei unidade, serei da comunidade,
Serei do time ribeirão-pretano.
Enfim, serei semente no jardim de Ribeirão.


Ribeirão Preto, 02/11/94

2 comentários:

Elisabete de Mello & Flexinha, A Gaby Duff Lancer disse...

Ribeirão!
Cidade e Gente Bonita.

Harold disse...

Bete!
Isso é verdade. Ribeirão é uma dessas cidades onde a gente vai e nunca esquece.
Um dia a gente precisa se encontrar lá.
Beijos!