Pesquisar este blog

10 fevereiro 2010

Descobrindo um novo box

Ontem li no caderno Ilustrada, da Folha de São Paulo, uma matéria sobre a banda Mini Box Lunar, originária do estado do Amapá. Não posso afirmar que a existência dessa banda, do meu estado de origem, seja novidade para mim. No ano passado, um dos meus primos citou o trabalho do sexteto. Porém eu não conhecia nenhuma canção gravada pelo grupo. Passeando pelo You Tube, vi alguns clipes e me entusiasmei. Fui no santo Google saber mais coisas sobre meus conterrâneos. Lá encontrei matéria publicada na edição brasileira da Rolling Stone. É essa matéria que reproduzo abaixo.
Tudo de bom sempre!
Harold

Doçura Psicodélica

Por Alex Antunes


Do Amapá, MINI BOX LUNAR surge como a revelação do pop amazônico


Foto: ALEXANDRE BRITO
Doçura Psicodélica
Música originada do isolamento

O acre não é mais o limite. Já testado e aprovado em festivais como Se Rasgum (PA) e Grito Rock (MT), o Mini Box Lunar, a mais recente surpresa musical "fora do eixo", vem de Macapá, capital do Amapá. O clima cabaré de "A Boca", o folk carnavalizado de "Amarelasse/ A Viola e o Pandeiro", a melancolia espacial de "Gregor Samsa", a sanfona e os delicados solos de cordas de "Sessão Vintage" são algumas das mais de 20 jujubas pop do sexteto, formado por quatro instrumentistas que se revezam nos instrumentos e duas vocalistas. Uma delas, Heluana, conta que eram duas duplas de compositores - ela e Otto e Jenifer "JJ" e Sady - que trocavam figurinhas enquanto tocavam violão nas madrugadas ou tramavam uma banda de cover dos Mutantes, Arnaldo Baptista e Secos & Molhados. "Coisa de corações partidos, drogas, falta de perspectivas...", tenta explicar JJ, sobre o surgimento da banda na cidade isolada pela selva e pelas águas e que apresenta o maior índice de suicídios entre as capitais. Mas a rebeldia local não se traduziu em barulho ou grosseria. "A banda gosta dessa beleza quase infantil, sem pretensão", fala Alexandre, que completa a formação com Taiguara.

Na verdade, Macapá possui uma cena pequena, em que todos se conhecem - o tecladista Otto e o baterista Taiguara tocam com uma dezena de bandas locais ("mini box" é o nome local para designar os mercadinhos de bairro). Nessa terra ilhada cheia de gente que vem de longe (JJ é de Salvador, Alexandre de Brasília, Taiguara e Sady de Belém, Otto do interior do Pará - só Heluana nasceu no Amapá), a lenta destilação de rock e MPB resultou em uma doçura psicodélica e tipicamente amazônica. "É a viagem da canção que surge do interstício da melodia e da palavra", descreve Heluana, citando outro Arnaldo - o Antunes.

2 comentários:

Otto Ramos disse...

Valeu pela força Harold...abs aqui do Amapá.

Otto Ramos - Mini Box Lunar

Harold disse...

Salve Otto!
Como membro da família do grande maestro Oscar Sntos, fico honrado por poder citar no blog uma talentosa banda da cidade onde nasci.
Agradeço sua visita. Desejo pleno êxito ao grupo.
Abraços!!!!