Pesquisar este blog

01 fevereiro 2010

Matando a saudade


Segue matéria de Pedro Brandt publicada na edição de hoje do jornal Correio Braziliense. Leiam
Harold


Matando a saudade

Em show gratuito realizado no sábado, Frejat leva 5 mil pessoas à área externa do Complexo Cultural da República.

O cantor carioca dividiu o repertório entre canções próprias e sucessos de outros autores
Pedro Brandt

Em cima do palco montado atrás do Museu Nacional Honestino Guimarães (parte do Complexo Cultural da República), Frejat (na foto de Elio Rizzo/Esp. CB/D.A Press) saudou o público: “Estou há mais de um ano sem vir a Brasília. Estava com saudades”. Pelo visto, o brasiliense também sentiu falta do cantor, já que aproximadamente 5 mil pessoas (segundo a produção e 3 mil de acordo com a estimativa da polícia) passaram pelo local na noite de sábado.

O show do músico carioca fazia parte da programação do projeto Férias com Arte, que contou também com apresentações dos locais Suíte Super Luxo e Dillo Daraujo. Esta mesma escalação se apresentou ontem na Praça do Relógio, em Taguatinga. Itinerante e gratuito, o Férias com Arte será realizado esta semana (sábado e domingo), com Jorge Aragão, no Gama e em Samambaia, e nos dias 13 e 14, com a banda carioca Forfun, em Sobradinho e no Paranoá.

Este caráter do projeto, de passar por várias regiões administrativas do Distrito Federal, foi muito elogiado pelos presentes. Caso das metroviárias Lúcia de Fátima Felisbino, 28 anos, e Marcelle Motta, 31. “Moro em Samambaia e lá acontecem pouquíssimos eventos. Amanhã (ontem) vou de novo ver o Frejat em Taguatinga”, contou Lúcia. “Tem muita gente que não consegue vir até o Plano Piloto para ver esses shows”, comentou Marcelle, também moradora de Samambaia. “Faltam propostas como essas na periferia”, acrescentou.

O primeiro dia da terceira edição do Férias com Arte foi marcado pela pontualidade (o primeiro show começou às 20h e o do Frejat terminou pouco antes da meia-noite) e pelo som impecável. O público eclético e de idades variadas (de crianças a “coroas”) foi chegando aos poucos. O quarteto Suíte Super Luxo estreou sua nova formação em uma apresentação que privilegiou o repertório de seu segundo disco, previsto para sair ainda este semestre. Acompanhado de músicos afiadíssimos, Dillo Daraujo chamou a atenção com uma sonoridade dançante, entre o blues rock e o soul.

Frejat dividiu seu set list entre músicas da carreira solo (Sobre nós dois e o resto do mundo, Eu preciso de tirar do sério, Homem não chora, Segredos, Amor para recomeçar, Dois lados), sucessos do Barão Vermelho (Bete Balanço, Puxo êxtase, Por que a gente é assim, Exagerado) e composições dele com Cazuza nunca gravadas pelo grupo (caso de Malandragem) e músicas de outros autores como Adriana Calcaconhotto (Vambora), Tim Maia (Não vou ficar, Réu confesso, Você), Vinícius Cantuária (Só você), Legião Urbana (Ainda é cedo) e Renato Russo solo (Mais uma vez, parceria com Flávio Venturini). “Depois de tanta coisa desagradável que o brasiliense tem passado recentemente, é ótimo poder descontrair num evento assim. Brasília estava precisando”, avaliou a professora português Patrícia Rodrigues, 38 anos.

2 comentários:

Elisabete de Mello disse...

Matou a saudade, Harold?

Harold disse...

Sim Sweet Bete!
Frejat é um dos meus ídolos. Vê-lo é uma grande honra, seja solo ou com o genial Barão Vermelho.
Beijos!!!!